Critérios de Avaliação

Áudio
Visual
Jogabilidade
Campanha
Diversão

Nota da Crítica

Baseada em 17 avaliações

Nota Agregada

Baseada em 76 avaliações

Compartilhe:

Sobre

Paris, 1789. A Revolução Francesa transforma a antes magnifica cidade em um lugar de terror e caos. Suas ruas de paralelepípedos estão vermelhas com o sangue de pessoas comuns que se atreveram a levantar-se contra a aristocracia opressiva. Com a nação em pedaços, um jovem chamado Arno embarca em uma viagem para expor os verdadeiros poderes por trás da Revolução. Sua busca vai jogá-lo no meio de uma luta implacável no destino de uma nação, e transformá-lo em um verdadeiro Mestre Assassino.

Mídia

Capturas de Tela

Trailer

Análises (3)

Avalie o jogo para escrever uma análise

  • Foto de Edson Cardoso Edson Cardoso
    no
    PS4
    há 1 ano

    Infelizmente o jogo me frustou muito. Ainda mais pq peguei o PS4 recentemente e foi o jogo que eu depositei demais expectativas. Sendo que o último que joguei foi o Black Flag na época de PS3. O jogo em sua época de lançamento quis colocar uma base de 50% de tudo em ações comparativas, ações essas que hoje já quase não sai viáveis. Dificuldade para encontrar outros jogadores é a realidade. Modo história é ok, mas ainda relacionando o modo co-op, vc depende muito dessas missões para conseguir o que é preciso pra evolução do personagem. Só no modo história essa evolução se torna muito mais lenta. Ainda se vê bastante bugs como o personagem ficar enganxado em alguns pontos, querendo entrar pelas paredes... Terminei pq quis mesmo, pq por ficar preso ao jogo... isso não fica não.

  • Foto de Nik! Nik!
    no
    One
    há 22 horas

    Assassin's Creed: Unity foi um dos jogos mais prometedores da franquia, mas acaba sendo um grande erro em sua execução. Revolução Francesa é um dos melhores momentos para criar uma narrativa: revoltas, ríspidos sons de guilhotina e um povo que muda o seu próprio futuro. Unity trata isso de uma forma incrível, toda a direção artística e sua ambientação mundana é precisa e linda, um mundo ativamente vivo que luta pela mudança e é visível, tanto nas missões secundárias que nos aprofundamos mais ainda em toda a revolução e seus acontecimentos como em peças importantes para que a sociedade fizesse suas próprias escolhas. Mas, é uma pena que as partes mais importantes e boas de todo o jogo sejam o adicional da obra. Mesmo que seu mundo seja lindo, sua narrativa é uma das piores já feitas na franquia, uma tentativa falha de trazer um protagonista sem sal com as raízes de Ezio Auditore em uma história ruim e extremamente problemática. Arno é um jovem que segue os alinhamentos de uma pessoa imprudente, que age com descuido e no fim se torna um grande assassino. A forma com que esse desenvolvimento de personagem é feito praticamente de maneira idêntica ao de Ezio, protagonista de outros jogos da franquia, mas trazendo um lado não explorado que divide a razão e ética com o dever, sendo uma das melhores coisas sobre o personagem principal, mas não o salvando de toda a narrativa posta. Muitas das vezes é previsível os acontecimentos seguintes e se torna nenhum pouco intrigante as reviravoltas da trama, sem contar o fato de colocar os Templários (os principais antagonistas do jogo) como revolucionários, utilizando de peças essenciais da revolução como membros de uma organização com o intuito de usar o controle mundial para alcançar a paz. Pensando dessa maneira, não passa de um jogo que coloca um nobre como protagonista e indica os revolucionários como antagonistas principais da trama. Não era mais fácil por uma placa na própria cabeça e dizer "Sou a favor da aristrocracia"? Além da narrativa, que é bem mista sobre pontos bons e negativos, Unity traz um lado misto também para a sua jogabilidade. Assassin's Creed sempre foi uma franquia com foco no stealth, e isso, Unity faz melhor que qualquer outro título da franquia, sendo um dos melhores — se não o melhor — stealth's de toda a franquia, com um sistema até mesmo prazeroso de se explorar, fazendo até o maior fã de brigas diretas optar pelo stealth do jogo. Mas como nada é perfeito, é possível acreditar que esses fãs de brigas diretas prefiram o stealth não só pelo fato de ser bom, mas também pelo fato de todo o sistema de batalha ser péssimo e desastroso, sendo lento com cada batalha demorando muito mais do que uma batalha deveria durar e com uma mobilidade extremamente lerda que faz todo o sistema ser entediante de se jogar ou apenas olhar. Unity prometeu tudo e não entregou um terço do que se era esperado, um desastre que, sinceramente, não recomendo a experiência.

  • Foto de Kaizo Yarikane Kaizo Yarikane
    no
    PS4
    há 1 ano

    Joguei em 2020, atualizado, entendo totalmente a frustração de quem jogou no lançamento, mas o Unity é um dos melhores jogos de franquia, trazendo um parkour excepcional e diversas missões bacanas, além de uma direção de arte incrível.

Discussões

Seja o primeiro a criar uma discussão

Entre no nosso servidor do Discord